Semente envelhece?

Infelizmente, a resposta é sim. Isso porque precisamos lembrar que a semente é um ser vivo, e assim como nós seres humanos, com o tempo e as condições que a cercam, está sujeita a uma série de reações deletérias que podem levar a perda da qualidade e consequentemente à morte.

A esse conjunto de reações, dá-se o nome de deterioração, processo caracterizado por alterações bioquímicas, físicas e fisiológicas nas sementes, que acontecem em ritmo progressivo e aumentam a susceptibilidade das sementes às condições adversas de ambiente. É extremamente indesejado para a agricultura, porque compromete o desempenho desse insumo em campo e no armazenamento, pela redução acentuada de sua qualidade.

O sucesso de uma lavoura depende de diversos fatores, mas, sem dúvida, o mais importante deles é o comprometimento com a utilização de sementes de elevada qualidade, que permita o acesso aos avanços genéticos, com as garantias de qualidade e tecnologias de adaptação nas diversas regiões produtoras. A qualidade das sementes é definida pela soma dos atributos, físico, fisiológico, genético e sanitário, que em conjunto, propiciam o melhor conhecimento do valor real e do potencial de utilização do lote de sementes.

Destes, a qualidade fisiológica, relacionada a germinação, vigor e longevidade, é o principal e o mais sensível componente afetado pela deterioração, isso porque as primeiras alterações nos processos bioquímicos associados à deterioração, ocorrem antes que sejam verificados declínios na capacidade germinativa. Quanto mais avançada está a deterioração, menor será o vigor da semente e sua capacidade de germinar e gerar plantas vigorosas e mais produtivas.

Para tanto, para auxiliar as empresas no monitoramento da qualidade das sementes e nas tomadas de decisões, com o objetivo de identificar possíveis variações no grau de deterioração das sementes entre os lotes e entre sementes do mesmo lote, a avaliação da qualidade das sementes após sua colheita pode ser realizada através de testes laboratoriais, os quais são capazes de fornecer dados sobre a sua capacidade de produzir um estande adequado e uniforme de plantas em condições adversas de campo, que é o principal interesse dos agricultores na fase de estabelecimento das culturas.

Esses testes adicionais, são chamados testes de vigor e são utilizados como grandes alicerces no controle de qualidade interno das empresas produtoras de sementes. De maneira alguma, substituindo os resultados dos testes de germinação, mas proporcionando informações adicionais aos mesmos, com características que justifiquem seu uso, como; simplicidade, rapidez, baixo custo, objetividade e reprodutibilidade.

A manifestação da deterioração das sementes está muito associada ao armazenamento. No entanto, o envelhecimento da semente inicia-se com a maturidade fisiológica (a semente se desliga da planta mãe) e pode ser acelerada em qualquer etapa pós-maturidade, podendo se estender até o período de pós-semeadura, considerando-se deteriorada (ou morta), quando a semente deixa de germinar em condições nas quais normalmente seriam favoráveis para a emissão da radícula.

Fato é que a deterioração da semente não pode ser evitada, porém é nosso papel enquanto agrônomos e produtores de sementes, por meio do emprego de técnicas adequadas que vão desde o plantio, até o armazenamento e expedição da semente, fazer com que a sua velocidade seja controlada e o processo seja o mais lento possível. É dessa maneira, que se faz o nome de uma empresa produtora de semente e se garante a confiança do agricultor, que não vai somente voltar na safra seguinte, mas vai se tornar fã e voltar sempre.

Raquel Pires


Raquel Pires é Engenheira Agrônoma (UFVJM), Mestre em Agronomia/Fitotecnia (UFV) e Doutora em Agronomia/Fitotecnia pela (UFLA). Realizou parte do doutorado na Universidade de Iowa, nos Estados Unidos. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal de Lavras no Departamento de Agricultura, Setor de Sementes. É Responsável Técnica do Laboratório de Análise de Sementes da UFLA e representante da UFLA na Comissão de Sementes e Mudas de Minas Gerais.

LINKEDIN: https://www.linkedin.com/in/raquelmopires/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *